Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Amazing days

"A vida é fascinante, só é preciso olha-la através das lentes corretas" (Alexandre Dumas)

Amazing days

"A vida é fascinante, só é preciso olha-la através das lentes corretas" (Alexandre Dumas)

25 de Abril, dia da liberdade e de dias bons

Ontem foi dia 25 de abril. Dia da Liberdade.

Graças à coragem de muitos eu já não soube como foi viver em didatura, pelo que lhes estarei eternamente grata. Por mim e pelos meus.

Mas por ter nascido em junho, logo após o fim da didatura, senti em alguns momentos que ela ainda estava presente nos meus primeiros anos. Lembro-me de o meu pai ainda não querer assumir publicamente algumas posições porque poderiam não ser benéficas, lembro-me do Sr. Professor Salvador que não sendo o meu professor primário, também me ficou na memória.

Frequentei uma escola primária tipica da "era Salazar". Duas salas no rés-do-chão e outras duas no primeiro andar.  A minha professora embora tivesse vivido no periodo antes 25 abril de 74, rapidamente se adaptou e embora com respeito, havia alguma liberdade na nossa sala de aula. Mas com o Professor Salvador tudo era diferente. continuava a chegar à escola impecavelmente vestido de fato e gravata, não me lembro de alguma vez o ter visto rir (ou sorrir que fosse) e quando o professor entrava na sala todos os alunos tinham que se levantar e cantar o hino de Portugal.

Ora para crianças de 6 ou 7 anos que não estavam nada habituados a este rigor, isto pareceu no minimo estranho quando uma vez a minha professora faltou e tivemos que rumar à sala em frente. Pareciamos uns extraterrestres a olhar uns para os outros com uma vontade de rir enorme, mas sabiamos que nem podiamos tentar tal audácia.

Ontem lembrei-me desta história e contei-a ao pequeno-almoço. O meu filho, agora com quase 11 anos, já nascido no sec. XXI, embora saiba que ainda há ditaduras, achou que eu estava a contar uma anedota. Parecia-lhe impossivel que tal pudesse ter acontecido num passado afinal ainda tão recente.

Não sou de grandes comemorações públicas, porque também não gosto de grandes confusões. Mas compreendo que haja quem sinta ainda a necessidade de comemorar esta Liberdade, que tenha vivido boa parte da sua vida sobre um regime austero em que quase nada lhes era permitido. É história, mas é uma história muito recente no nosso País que está bem presente na memoria de várias gerações - uns porque a viveram na primeira pessoa, outros como eu, que já só viveram algumas influências e que ouviram pais e avós contar o que viveram e o que viram outros passar, a opressão e o medo. 

Ontem foi dia 25 de Abril e a mim só me resta dizer obrigada e continuar a defender a democracia!