Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Amazing days

"A vida é fascinante, só é preciso olha-la através das lentes corretas" (Alexandre Dumas)

Amazing days

"A vida é fascinante, só é preciso olha-la através das lentes corretas" (Alexandre Dumas)

Seg | 15.10.18

O que se tem lido por cá

Beatriz LA

image.jpeg

 Durante este verão as leituras ainda foram algumas, mas sem que tivesse aqui deixado a minha opinião sobre estes livros. Mas vamos sempre a tempo, por isso aqui fica:

 

Elena Ferrante, História da menina perdida

Foi o primeiro livro que li desta autora é adorei mesmo. Estou ansiosa por comprar mais (mas a pilha de livros a aguardar leitura já vai alta e temos que esperar um pouco). 

Gostei especialmente da simplicidade da escrita, como se se tratasse de uma história falada. A história em si também me cativou bastante e só sosseguei quando cheguei ao final. Foi mesmo um daqueles livros que marcam pelos assuntos retratados e pela forma como está escrito.

 

José Eduardo Agualusa , Teoria Geral do Esquecimento

Outro livro muito bom, ou não fosse do José Eduardo Agualusa :) . Também foi de leitura  sôfrega embora a escrita já não seja assim tão simples.

 

Ernest Hemingway, O Velho e o Mar

Mais um top, top, top. Já falei dele aqui 

 

Ernest Hemingway, As torrentes da Primavera

Pois tenho que confessar que este não me seduziu or aí além. O autor é de referencia, mas não foi um livro que recomende. Talvez lhe dê uma segunda oportunidade e o volte a ler noutra ocasião.

 

Tom Nichols, a Morte da Competência

Este livro fala de como o excesso de informação nos torna, segundo o autor, cada vez mais incompetentes e dependentes de tecnologias. Para tudo é preciso ir à net e os motores de busca são uma fonte inesgotável de conteúdos e informação e isso vêm-nos deixando cada vez mais perguiçosos. No fundo é um livro para nos abrir um pouco os olhos para a nossa vida e como nos deixamos absorver no nosso dia a dia pelo facilitismo e nos deixamos abraçar pela preguiça e nos afastamos, consciente ou inconscientemente, por tudo o que nos exige mais esforço e energia.